sábado, 20 de junho de 2015

Temas importantes sobre o PME de Jequié


Abaixo, listo alguns temas relacionados ao Plano Municipal de Educação (PME) que precisam ser postos à luz do sol. Em posts separados, tentarei tratar de cada um deles, dando ênfase ao tópico 3.6.2 – Educação, Relações de Gênero e Diversidade Sexual. O plano veio a público há apenas três dias, depois de um ano sendo elaborado pela Secretaria de Educação de Jequié, com a participação de Conselhos, APLB-Sindicato, representantes de diretores, professores e alunos de escolas públicas e do Legislativo Municipal.


Nada de igrejas católicas, nada de igrejas evangélicas, nada de defensores da família. Isso mesmo, sem diálogo com as igrejas e com as famílias. Seria, portanto, um plano antidemocrático. Seria, se Dom Ruy tivesse preferido a clausura à ação política. Seria, se a Ordem dos Pastores tivesse optado por entregar a questão nas mãos de Deus, esquecendo-se das suas próprias mãos, postas ao arado. Seria, se os vereadores jequieenses tivessem se vergado ao PME do jeito que veio da Prefeitura.

Mas não vai ser.

Como em qualquer sociedade democrática, a maioria vencerá. Apesar do pouco tempo, igrejas e famílias vão, sim, participar da elaboração do plano, à revelia de alguns revolucionários sociais. Não há problema. Eles querem subverter a ordem. Nós queremos melhorá-la. E vamos fazer com respeito, clareza, verdade e muita vontade. E com a benção de Deus, esperamos.

Aos temas:

1. O que é o Plano Municipal de Educação;
2. Quem e que ideologia está por trás do PME de Jequié;
3. Propostas do PME sobre sexualidade;
4. O que é Ideologia de Gênero;
5. A Ideologia de Gênero depõe contra o movimento LGBTT;
6. A Ideologia de Gênero é anticientífica e anticristã;
7. A escola como incentivadora de práticas sexuais precoces;
8. A escola como opositora da família;
9. Por que igrejas e famílias precisam discutir o PME;
10. O exemplo de Cristo.

Se Deus permitir, tudo até domingo, porque a discussão e votação na Câmara já é segunda, 22, 9 horas.

Acompanhem.

James Meira

Um comentário:

Percy Neto disse...

Espero que a voz daqueles que se levantam para defender a família seja ouvida e respeitada, pois somos muitos e também temos o nosso direito legal e irrefutável de ser ouvido como cidadãos que somos.