terça-feira, 23 de setembro de 2014

PT defende aborto em documento oficial


Semana passada, em conversa com um amigo petista que é vereador em Jequié, disse-lhe que o partido a que pertence apoia o casamento de pessoas do mesmo sexo e o aborto. Era uma discussão sobre ideologias partidárias. O amigo prontamente concordou sobre o casamento gay, informou-me que era também seu posicionamento, mas negou peremptoriamente o fato de o Partido dos Trabalhadores ter posição oficial em favor do aborto. Chegou a insinuar que era intriga de véspera de eleição.

Ele estava errado. Acredito, pela índole que demonstra, que estava sinceramente errado. Isto é, ele errava, mas acreditava sinceramente no que dizia. A boa notícia é que erro tem antídoto: a verdade. Não pense, porém, leitor, que escrevo este texto com o intuito de informar a esse amigo sobre as verdadeiras pretensões abortistas do PT. Isso eu posso fazer pessoalmente. O que quero é alertar os que, como ele, são enganados e acabam votando num projeto político que tem como meta promover a morte de bebês no ventre materno, se a mãe assim desejar. As provas estão em documento oficial do próprio PT. Vamos a elas.

Resoluções do 3º Congresso do Partido dos Trabalhadores, 2007.
O documento de quase 200 páginas tem um capítulo denominado "Por um Brasil de mulheres e homens livres e iguais" que, estranhamente, trata apenas das mulheres. Se você quiser ler, clique aqui, e depois vá à página 82 (43 no pdf), ou simplesmente pesquise a palavra "aborto". Lá está escrito o seguinte:
"O PT, através de sua secretaria defende e reafirma seu compromisso com políticas e ações, hoje incorporadas pelo governo federal, que representam as principais bandeiras de lutas dos movimentos de mulheres e feministas, e que são extremamente significativas para a melhoria da qualidade de vida das mulheres: 
  • defesa da autodeterminação das mulheres, da discriminalização do aborto e regulamentação do atendimento à todos os casos no serviço público evitando assim a gravidez não desejada e a morte de centenas de mulheres, na sua maioria pobres e negras, em decorrência do aborto clandestino e da falta de responsabilidade do Estado no atendimento adequado às mulheres que assim optarem."
Destaquei alguns trechos porque eles formam um bom resumo da proposta petista. Ficaria assim: O PT defende e reafirma seu compromisso com políticas e ações da discriminalização do aborto à todos os casos no serviço público às mulheres que assim optarem. Alguns dirão que são apenas palavras pinçadas do texto. É mesmo? E onde estaria o erro nesse arranjo textual? Ora, a defesa do aborto feita aqui pelo PT tem clareza solar.  Não há interesse em esconder nada. Talvez alguém queira continuar sendo enganado ou ache que isso não tem muita importância. Para mim, que não estou nem quero ser enganado, tem importância, sim.

Não há limites no PT em relação à defesa do aborto. Releia o texto e constate você mesmo que:
1. São ações já incorporadas pelo governo federal (O ano era 2007; eles estavam no governo desde 2003);
2. Para o PT, o aborto é extremamente significativo para a melhoria da qualidade de vida das mulheres (Como assim? Quem aborta não sente culpa por tê-lo feito e ainda se sente melhor?);
3. A descriminação deve ser para todos os casos e no serviço público (Então, quer dizer que não importa a idade gestacional, os motivos, nada? E quem tem que pagar a conta dessa covardia somos nós?);
4. Basta que as gestantes optem pelo aborto (Quem disse que a mãe tem direito de dispor da vida do filho em seu ventre? Trata-se de outro ser, que deve ser protegido e não morto).
Ok, o PT ainda não alcançou seu objetivo, nem vai sair por aí, em plena campanha eleitoral, revelando suas intenções abortistas. Entretanto não retrocedeu um só milímetro na marcha pelo aborto. Antes, puniu quem se opôs às resoluções do 3º Congresso, caso dos então deputados federais Luiz Bassuma, da Bahia, e Henrique Afonso, do Acre, cujos direitos partidários foram suspensos em 2009 por decisão unânime da Diretoria Nacional do partido, o que os obrigou a mudar de legenda.

Aí está a velha verdade desconhecida pelo meu amigo vereador. Agora, não podendo mais ser considerado intrigueiro, posso dizer que votar no Partido dos Trabalhadores é dar-lhe, mais uma vez, a oportunidade de legalizar o aborto no Brasil.

James Meira

Nenhum comentário: