sábado, 21 de setembro de 2013

Presidente Josué Menezes: Seis meses que entraram para a história de Jequié


O vereador Josué Menezes não é mais presidente da Câmara Municipal de Jequié. No fim da tarde desta sexta-feira, 20, ele foi notificado sobre a decisão da Justiça favorável ao titular do cargo, vereador José Simões.

Acaba-se o mandato de gestor mas ficam os feitos da gestão. Feitos que alguns consideravam impossíveis, dada a descrença numa postura política diferente, pautada pela ética. Josué, no entanto, mostrou em seis meses que é possível, sim, fazer política com moralidade.

O Barbudo, como é conhecido, assumiu a presidência da Câmara no dia 13 de março, por decisão judicial que atendia a requerimento do Ministério Público de afastar do cargo o então presidente. Sua posse foi prestigiada pelos vereadores e recebida com entusiasmo pelo povo de Jequié.

Abaixo, alguns momentos marcantes da presidência de Josué Menezes.

1. Exoneração de cargos de altos salários
A primeira medida de impacto do presidente Josué Menezes foi exonerar servidores de cargos comissionados com altos salários, entre R$ 5.000,00 e R$ 10.000,00. Notem: todos esses cargos eram da estrutura da presidência. Portanto, serviriam a ele mesmo, que agora era presidente. Ainda assim foram cortados e não houve substituições.

2. Culto consagrando a gestão
A pedido de Josué Menezes, o pastor Jeremias Júnior, da Igreja Batista Monte Horebe, dirigiu o primeiro culto de que se tem notícia no Gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Jequié. O presidente convidou os vereadores e todos os funcionários da Casa, que compareceram em massa. Era a consagração de sua presidência a Deus.

3. Curso de Medicina em Jequié
Na condição de presidente da Câmara Municipal, Josué Menezes representou o Legislativo jequieense na luta pela permanência do curso de Medicina na UESB de Jequié. Participou, com outros vereadores, de audiência pública em Vitória da Conquista e de reunião entre lideranças locais e o secretário de saúde do estado, Dr. Jorge Sola, em Salvador. Foi enfático: "No que depender do Poder Legislativo, o curso de Medicina não sai de Jequié."

4. São João sem dinheiro público
O presidente Josué Menezes não permitiu que a Câmara gastasse dinheiro público no Camarote do São João. Segundo ele, essas despesas devem ser custeadas por quem gosta da festa, e não pelos contribuintes. "Em minha gestão, isso não pode acontecer", disse.

5. Extinção de cargos e mais reduções de salários
Neste mês de setembro, a Câmara de Vereadores aprovou uma lei que reduz os salários de mais de vinte cargos (três deles pela metade) e ainda reformula a estrutura de órgãos internos, com a extinção de diversos outros cargos, o que importará numa economia de cerca de R$ 20.000,00 por mês.

Josué Menezes, agora apenas vereador, é um homem simples que aproveitou com sabedoria o pouco tempo que teve para concretizar sua proposta de honestidade. Honrou o seu nome, o seu povo, o seu Deus. Esses seis meses constituem um divisor de águas em nossa história política.

Parabéns, Senhor Presidente.

Por James Meira


Empossado presidente da Câmara Municipal de Jequié
Culto de Ação de Graças e de Consagração
Curso de Medicina: Audiência Pública em Vitória da Conquista
Curso de Medicina: Audiência em Salvador
Curso de Medicina: Audiência em Salvador

Nenhum comentário: