quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Dra. Tânia entre aliados e adversários


O governo de Dra. Tânia está entrando para o décimo mês e, de certa forma, divide opiniões. "De certa forma" porque não há ninguém ousado o suficiente para dizer que está tudo indo bem. O que se tem, na verdade, é uma base aliada consciente das dificuldades da Administração, tentando ajudar. E uma oposição para a qual quanto pior, melhor.

A base aliada está consolidada na Câmara de Vereadores. Conta, na prática, com a quase totalidade da Casa, já que quatro dos cinco "oposicionistas" estão muito mais para moderados. Os edis governistas, diferentemente do que ocorreu em outras legislaturas, não se furtam a criticar o governo, apontar caminhos, sugerir soluções. O que não fazem é pular do barco, mesmo porque a maioria ajudou a eleger a prefeita e tem o dever moral de auxiliá-la nos destinos da cidade. É o que fazem.

Do outro lado está a oposição, formada por um vereador e algumas rádios locais. Não é uma oposição gratuita, mas é uma oposição oportunista, às vezes desleal. Chega ao ponto de tentar descaracterizar o débito deixado pela gestão anterior - da qual fizeram parte e que emperra a máquina pública - sob o argumento de que o desvio foi de "apenas" 21 milhões de reais, bem longe dos 55 milhões anunciados previamente. Se bem entendi, 21 milhões de Restos a Pagar (esse é o nome técnico do dinheiro que sumiu) não são suficientes para acusar o governo Luiz Amaral de travar a gestão de Tânia. 

Fazendo uma conta simples, é como se a prefeita tivesse que ter pago em torno de 2,6 milhões de reais por mês entre janeiro e agosto, só dos "restos a pagar" de Luiz. Com o prejuízo coberto, em setembro o sinal estaria verde para a prefeitura deslanchar. Entenderam? Para a oposição, 2,6 milhões por mês, por oito meses consecutivos, não representa um entrave para a Prefeitura. Ela tinha a obrigação de pagar e ainda fazer tudo o que a cidade precisava. Uma piada!

Entre aliados e adversários, Dra. Tânia deve continuar trabalhando, com a simplicidade de sempre. Aceitar as críticas com humildade e a ajuda com sabedoria. Tem de cumprir a lei, sem titubear. Tem de buscar os recursos necessários para o crescimento da cidade e de sua gente.

Por James Meira

Nenhum comentário: